14 de outubro de 2011

Nem sempre a lápis (219)

A foto é de Maio de 88, em Sintra; seguro ao colo a primeira sobrinha da Nico, com semanas. Libertava-me de medicações; prestava declarações aos buracos negros da memória, abertos pelo álcool. Tomo há cinco anos – todos os dias e até ao meu fim deles – os que se apresentaram à frente da foto em álbum alheio; omisso o tempo intermédio.

4 comentários:

Táxi Pluvioso disse...

É engraçado que não tenho uma única foto minha, exceto nos arquivos da polícia (e no BI, claro).

F disse...

O tempo intermédio transplantou-se para outras bandas!

fallorca disse...

Mas completamente

Andressa C. disse...

:)