4 de novembro de 2012

Nem sempre a lápis (332)

água tatuada
(1999)
 
Só o gume da água segura este delírio atómico. Mesmo que uma janela cante na pele iluminada, adivinha-se uma matilha de pêlos – sob a tatuagem.
Nem sempre o mar consegue adiar o rosto.
 
[fizeram-se aqui]