5 de abril de 2012

Nem sempre a lápis (270)

Este lugar tem um som de gaivota ao fim da tarde, soletrado. Vejo-a depois; é o apelo do muezzin a ecoar no horizonte. É assim que as coisas começam.