20 de julho de 2012

Porque a Net fornece um novo dia

«- Eis como gosto de marcar o espaço: com um carimbo.
- Que belo, esse seu instinto de domínio.
- Marcar um território como se marca uma vaca, bem no dorso e com muita força. Uma marca que nunca mais saia.
- Portanto Vossa Excelência, dono e proprietário e senhor e chefe e etc., no fundo, pois então, Vossa Excelência, dizia, como dono de um território, decide marcar o espaço que lhe pertence com um carimbo, é isso? Marca o espaço como se marca uma vaca.
- Exacto. Até pensei mesmo em assinar o espaço. A minha assinatura, o meu belo nome, num canto do espaço que me pertence. Que lhe parece?
- Parece-me inovador. Portanto, em vez de cercas e arame farpado, Vossa Excelência assina, por assim dizer, o chão que lhe pertence.»


2 comentários:

Anónima Singular disse...

As crónicas dele nesta revista são sempre espectaculares :)

F disse...

Os cães e os gatos fazem-no de uma forma mais prática!
:)