7 de março de 2012

Papiro do dia (195)

«Das duas entradas do café, ela utilizava sempre a mais estreita, a chamada porta da sombra. Escolhia a mesma mesa, ao fundo da pequena sala. Nos primeiros tempos, não falava a ninguém, depois travou conhecimento com os clientes habituais do Condé, a maioria dos quais tinha a nossa idade, entre dezanove e vinte e cinco anos, diria eu. Às vezes, sentava-se nas suas mesas, mas em geral, mantinha-se fiel ao seu lugar, bem ao fundo.
Não tinha hora certa para chegar. Podia encontrar-se lá de manhã muito cedo. Ou então surgir por volta da meia-noite e ficar até à hora do encerramento. Era o café do bairro que fechava mais tarde, juntamente com o Bouquet e o Pergola, e o que tinha a clientela mais estranha. Com o tempo, pergunto-me se não seria precisamente a sua presença que conferia ao local e às pessoas aquela estranheza, como se as tivesse impregnado do seu perfume.
Suponhamos que tínhamos sido transportados para ali de olhos vendados, instalados a uma mesa, libertos da venda e deixados à-vontade durante alguns minutos antes de responder à pergunta: Em que bairro de Paris nos encontramos? Talvez bastasse observar os vizinhos e ouvir as conversas para adivinhar: Nas imediações do carrefour de l’Odéon, que continuo a imaginar sempre nostálgico debaixo da chuva.
Certo dia, um fotógrafo entrou no Condé.»
[Patrick Modiano, No Café da Juventude Perdida; trad. Isabel St. Aubyn, ASA, Abril 2009]

2 comentários:

novaziodaonda disse...

O que eu adorei ler este livro!

fallorca disse...

já vou na segunda bica/mesa ;)