24 de maio de 2012

Nem sempre a lápis (282)




4. Chegados a este ponto do relato, é crucial revelar um pormenor: o cavalheiro acreditou no erro mais crasso que se possa imaginar. Acreditou na vida e, como se não bastasse, viveu-a.