1 de abril de 2011

Papiro do dia (49)

«OS EXCREMENTOS
Um dia, um homem caiu desmaiado no meio do mercado dos perfumes. Já não tinha força nas pernas. Sentia a cabeça à roda, incomodado com o incenso queimado pelos mercadores.
As pessoas juntaram-se à sua volta, para o ajudar. Alguns esfregavam-lhe o peito e outros os braços. Outros, inclusivamente, aspergiam-lhe o rosto com água de rosas, ignorando que aquela mesma água era o que o tinha posto naquele estado.
Outros tentavam tirar-lhe a roupa, para que respirasse melhor. Outros tomavam-lhe o pulso. Alguns havia que lhe diagnosticavam excesso de bebida, e outros, abuso de haxixe. Ninguém, no entanto, encontrou o remédio.
Pois bem, o irmão deste homem era curtidor. Mal soube o que lhe tinha acontecido, correu para o mercado, apanhando pelo caminho todos os excrementos de cão que encontrou. Chegado ao lugar do drama, afastou a multidão, ao mesmo tempo que dizia:
“Eu sei qual é a causa do seu mal!”
A causa de todas as doenças é a quebra de hábitos. E o remédio consiste em recuperar esses costumes. Por isso, existe um versículo que diz: “A sujidade foi criada para os sujos!”
Assim, escondendo o seu medicamento, o curtidor aproximou-se do irmão e, inclinado sobre ele, como para lhe dizer um segredo ao ouvido, pôs-lhe a mão no nariz. Ao respirar o odor daquela mão, o homem recuperou imediatamente o conhecimento e as pessoas à volta, suspeitando de algum truque de magia, murmuravam entre si:
“Este homem tem um alento forte, porque até conseguiu despertar um morto.”
É como vês. Qualquer pessoa que não se convença do almíscar destes conselhos, convencer-se-á certamente através dos maus cheiros. Não é por cair no âmbar, que um verme nascido nos excrementos mudará de condição.»
[Rumi, Parábolas Sufis; trad, Jorge Fallorca, Fim de Século, Fevereiro 2000;

2 comentários:

manuel disse...

ahahah esta é a melhor foto de sempre!

fallorca disse...

E em cima, tens a Lassie ;)