3 de janeiro de 2012

E porque não lá mais para a Primavera e no Porto

O café estava cheio de gente apressada, à hora do almoço. A máquina resfolegava para satisfazer os pedidos e a empregada serpenteava por entre as mesas, feita uma barata tonta.
Desviava o olhar pela montra embaciada, e contornava a palmeira esfiapada pelo vento, à espera que atravessasses a rua.
Lembro-me que era uma e meia da tarde, e volto este livro ao contrário para não ser denunciado por outra capa.
Tânger fica-me cada vez mais distante. Soletro-a como um eco perdido, para não me sentir tão perdido pelas ruas de Tânger.








Tânger e outros lugares,
Primavera 2001/Primavera 2007

9 comentários:

F disse...

e porque não?

fallorca disse...

E porque não, seguido de um bom serão? ;)

F disse...

bora!

a. disse...

:)

fallorca disse...

;)

Claudia Sousa Dias disse...

quero este...! como posso consegui-lo? e já agora quero dar-te os parabéns pela "aparição" de "A mulher descalça" no "Bibliotecário de Babel", um dos meus 5 blogues favoritos!

Um grande abraço e votos de um excelente 2012.

fallorca disse...

«quero este...!»
Ah, pois queres, mas só lá mais para a Primavera.
Fazes as apresentações no sítio do costume e festas ao «Gato Vadio», olhamesta...
Fiufiu...

Marta disse...

...e ando eu a ler jornais...quando A notícia está aqui!

o Porto aguarda por essa Primavera!

bora lá :)

fallorca disse...

Bora... É só «afinar» uns pormenores :)