9 de junho de 2011


[Luís, alinhas? E tiras-me uma foto à esquina da Travessa da Espera (Perder Teorias)]

2 comentários:

aureas T. disse...

bem gostaria, amigo jorge, de rever na tua companhia estes virtuosos, poeirentos e gentis gatos-pingados; mas creio que sairia do aquário antes de terminada a primeira música,com o contrabaixo enfeixado no lombo por motivos de intolerável tosse de cão, tenra e contínua. com um pouco de sorte talvez conseguisse escafeder-me primeiro ou vir de lá empurrado com bons modos, bolsos cheios de corifina e formitrol. a foto na travessa da espera já tem menos que esperar. abraços!

fallorca disse...

Meu querido Luís (vírgula)
a demora na resposta ao teu preocupante comentário ficou apenas a dever-se à necessidade de aviar o pardal (que me aguardava impertinente nas costas da cadeira) enquanto tomava o pequeno-almbço.
Estudei demoradamente o teu caso e, dada a gravidade da situação, não me ocorre nada melhor que sugerir a leitura pausada de «O Grande Livro de S. Cipriano ou Tesouros do Feiticeiro», edições Afro... afro, frofro... frodite [treme-me o teclado], do inesquecível Fernando Ribeiro de Mello.
Como sabes, deverás evitar a leitura de determinadas páginas à meia-noite em encruzilhadas.
Quanto à receita, como podes ver pelo instantâneo anexo, estou a prescrevê-la.
Votos de melódicos espirros e até breve