14 de junho de 2011

Às vezes, lá calha...

«Não tenhamos ilusões: escrevemos sempre depois de outros. No meu caso, a essa operação de ideias e frases de outros que adquirem outro sentido ao serem levemente retocadas, deve acrescentar-se uma operação paralela quase idêntica: a invasão, nos meus textos, de citações literárias totalmente inventadas, que se misturam com as verdadeiras. Isso complica ainda mais o procedimento, mas também é verdade que o alegra

(Enrique Vila-Matas)

4 comentários:

nuno monteiro disse...

finalmente encontrei "Paris não acaba nunca" Será caso para dizer que mais vale tarde que nunca! Dentro de pouco darei o salto para Dublin, o tal salto inglês...

fallorca disse...

Quanto a mim, acabo de «Perder Teorias»; um luxo

nuno monteiro disse...

Fallorca: Vai muito adiantado, ainda me falta um tempo para "perder teorias", concebo que sim, lá mais para a frente, creio poder vir a fazer como Cossery, uma espécie de apologia da mendicidade e da altivez, comprei também "As cores da infâmia e ia dando com o Cossery a antever os acontecimentos da praça Tahrir, o que ele não havia de rir...

fallorca disse...

:)